Quarando

Quarando

Penduradas ao tempo, as trouxas tornam-se artefatos escultóricos em meio a varais, pregadores, arames e troncos do agreste.

Multicoloridas ao vento, elas enfeitam e poetizam dentro do campo inerte. Inúmeras são as casas que tornam-se galerias aos passageiro que tateam com olhos indefinidos suas formas e posições pela perene estrada retílinea. Nos arames ou nos varais, suas formas, paletas e disposições criam linguagens visuais. Poética são as afinidades entre paisagem e as trouxas, que tornam o fundo uma figura, e a figura o fundo, criando-se em sua completude nesse maranhado de ocasionalidade, parindo expressões e hipnotismo aos olhares oblíquo de passageiros que peregrinam as retilíneas estradas de seus caminhos.

This is a unique website which will require a more modern browser to work!

Please upgrade today!